top of page

Manzoni apresenta moção de repúdio à fala de Lula

Em seu discurso hoje (20), na Câmara Legislativa, o Deputado Thiago Manzoni repudiou a fala do Presidente Lula que comparou o que acontece hoje em Gaza ao Holocausto, no qual 6 milhões de pessoas foram assassinadas. Para o Distrital, a fala de Lula, além de distorcer a realidade, coloca em risco a segurança nacional.

Manzoni apresenta moção de repúdio à fala de Lula, que compara a situação em Gaza ao holocausto
Foto: Jeremias Alves

O Deputado Thiago Manzoni considerou a fala do Presidente muito séria, pois atualmente é vivenciado um momento de divisão no Brasil e no exterior. Segundo o parlamentar, neste contexto, as palavras imprudentes e as ações precipitadas ameaçam, além da harmonia interna, a paz e a estabilidade no cenário internacional.


"O momento exige o mínimo de sabedoria, prudência e serenidade. Mas o Presidente Lula dá declarações que fulminam tudo isso. Ele se dissocia da responsabilidade que o ocupante da presidência da República tem que ter. A comparação do que acontece hoje em Gaza com os horrores do Holocausto não distorce apenas a realidade, inflama as tensões, colocando em risco a nossa própria segurança nacional", disse Manzoni.

Thiago Manzoni apresentou uma moção de repúdio ao discurso do Presidente Lula, no qual comparou a resposta de Israel ao grupo terrorista Hamas, na Faixa de Gaza, ao genocídio de judeus perpetrado por Hitler durante o Holocausto.


"A fala de Lula não é isolada e acontece logo após o governo brasileiro confirmar que continuará repassando recursos para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA). A postura do Brasil vai na contramão de sua história e de países como Estados Unidos, Canadá, Itália e Alemanha, que suspenderam os repasses à UNRWA, depois que a organização passou a ser investigada por suposta ligação de seus integrantes com o Hamas", trecho da moção de repúdio.

Ainda em seu discurso, o Deputado disse que a fala do presidente Lula é enquadrada em crime de responsabilidade, previsto no art. 5° da lei do impeachment.

"Não existe outro caminho para o Brasil que não seja um impeachment, de uma petição que vai ser endereçada ao presidente da Câmara Federal, que já conta com a assinatura de mais de 110 deputados federais", concluiu.

Ao fim de sua fala, Thiago Manzoni pediu desculpas ao povo judeu e reafirmou que as palavras do atual Presidente não refletem os sentimentos da nação brasileira, que tem respeito e admiração por eles.

 

Íntegra da Moção de Repúdio:

MOÇÃO Nº 636 DE 2024

Requer moção de repúdio ao

discurso do Presidente da

República, Luís Inácio Lula da Silva,

proferido em 18 de fevereiro de

2024, no qual comparou a resposta

de Israel ao grupo terrorista Hamas,

na Faixa de Gaza, ao genocídio de

judeus perpetrado por Hitler durante

o holocausto.


Senhor Presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal:

Com base no art. 144, do Regimento Interno desta Casa, proponho aos nobres pares Moção de Repúdio ao discurso do Presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, proferido em 18 de fevereiro de 2024, no qual comparou a resposta de Israel ao grupo terrorista Hamas, na Faixa de Gaza, ao genocídio de judeus perpetrado por Hitler durante o holocausto.


JUSTIFICAÇÃO

O grupo terrorista Hamas, responsável pela maior guerra do Oriente Médio nos

últimos anos, iniciou um conflito no dia 7 de outubro de 2023 ao atacar Israel de forma gratuita e covarde. Os terroristas metralharam jovens que estavam em um festival em Israel, mataram civis, se esconderam atrás de bebês e colocaram famílias em cativeiro. Após os ataques, Israel reagiu, usando o direito de defender seu povo e território.

Na contramão dos que defendem a autonomia de Israel, o Presidente Lula sempre teve postura crítica em relação aos israelenses e conivente à ação dos terroristas que atuam na região. Na última declaração sobre o caso, contudo, feita em entrevista coletiva no dia 18 de fevereiro, todos os limites da sensatez foram rompidos quando Lula comparou a postura de Israel ao que aconteceu no Holocausto.


"O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não

existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler

resolveu matar os judeus”, afirmou.


Não por outro motivo, Lula tornou-se “persona non grata” em Israel e foi duramente criticado por autoridades israelenses.


A fala de Lula não é isolada e acontece logo após o governo brasileiro confirmar que continuará repassando recursos para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA). A postura do Brasil vai na contramão de sua história e destoa de países como Estados Unidos, Canadá, Itália e Alemanha, que suspenderam os repasses à UNRWA depois que a organização passou a ser investigada por suposta ligação de seus integrantes com o Hamas.


Destacamos também que, ao defender o Hamas, Lula vai contra o que pensa a

maioria dos brasileiros. Pesquisa da Real Time Big Data divulgada em novembro de 2023 mostrou que 66% dos brasileiros acredita que Israel está correto na guerra contra o Hamas. A mesma pesquisa apontou que 77% da população discorda do discurso feito por Lula em novembro acusando Israel de fazer ataques terroristas na faixa de Gaza. Veja o discurso completo:




Comments


bottom of page