top of page

Em plenário, Manzoni fala sobre julgamento para descriminalização do aborto

Se o STF acatar a ação, não será crime assassinar crianças de até 12 semanas de gestação


Nesta quarta-feira (20), o Deputado Thiago Manzoni discursou a respeito da descriminalização do aborto. Da tribuna da Câmara Legislativa, o distrital falou sobre o tema, que já está com julgamento marcado para a próxima sexta-feira (22) no plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF).

A Ministra Rosa Weber, do STF, pautou o julgamento da ADPF 442, que trata da descriminalização do aborto até a 12ª semana. Se a Suprema Corte decidir acatar a ação, não será crime assassinar crianças indefesas no ventre de suas mães durante as 12 primeiras semanas da gravidez.


"Um bebê de 12 semanas na barriga da mãe, ele tem braços, tem pernas, tem nariz, tem mãos. Está num único lugar onde ele é seguro e protegido. Ele não tem força para se defender de nenhum ataque. Ele é frágil. Ele é indefeso. Ele está sendo formado, ele é vivo ao mesmo tempo. O seu coração já bate", narrou Manzoni.

Para Thiago Manzoni, é uma covardia pessoas pedirem o assassinato de crianças indefesas, que têm o tamanho menor do que a palma de uma mão, e contou sobre a avó dele, que era médica, e adotou o bebê de uma paciente que a procurou para abortar.

"Minha avó era médica no interior do Brasil, e ela foi procurada por uma jovem que teve uma relação com um fazendeiro daquela região do Brasil e engravidou. Ela pediu para a minha avó realizar um aborto. A minha vó se recusou e falou assim: 'eu cuido de você durante toda a gestação e depois que o seu filho nascer, eu crio'. Esse discurso, tio. Eu faço em homenagem a você. Graças a Deus a sua vida foi preservada. O mundo não seria tão bom sem a sua existência. Eu agradeço em memória à minha avó, que decidiu preservar a vida daquele bebê".

O parlamentar disse que a sociedade brasileira não pode admitir que essas vidas sejam ceifadas no ventre de suas mães.


"O ventre das nossas mulheres é local de vida e não de morte".



Comments


bottom of page